Cãezinhos podem ser mais ágeis e espertos do que você imagina. Eles não fazem por mal, mas em diversas situações podem tentar escapar. Saiba como prevenir fugas!

Além de oferecer um lar confortável e manter a rotina dos hóspedes, uma das principais responsabilidades dos Anfitriões DogHero é zelar pela segurança dos cachorros que recebem em casa. Isso inclui diversas questões, incluindo possíveis fugas.
Antes de aceitar uma hospedagem, pergunte no pré-encontro se o pet possui histórico de fuga (se já tentou fugir alguma vez), e observe seu comportamento: cães fujões costumam ficar próximos de portas/portões e são ariscos.

Eles podem tentar escapar por diversos motivos: estarem entediados, serem atraídos por barulhos e sons diferentes, quererem seguir outro animal, se sentirem “abandonados” por serem deixados pelos donos em outro local e até mesmo por ansiedade de separação. Ou seja, quando o tutor deixa o pet na sua casa, ele está “se separando” do animal e alguns deles não sabem lidar muito bem com essa situação, principalmente se for a primeira vez que ficarão longe dos tutores. Os cachorrinhos podem ficar ansiosos, agitados e tentar escapar.
Um outro fator que pode influenciar na tentativa de fuga do animal é se ele brigar com outro cachorro que esteja no mesmo território, porque cães que brigam tendem a fugir mais do que os que não brigam, pelo desconforto de permanecer no mesmo ambiente com o outro cão. Por isso, cuidado com as brigas!

Quando um cachorro consegue escapar ele está sujeito a diversas situações de risco como brigar com outros cães, atropelamento, contrair doenças e, até mesmo, ser pego por outra pessoa. O cliente quando fecha a hospedagem confia no seu trabalho. Se você deixar o filho de 4 patas dele escapar perderá essa confiança, além de causar um grande transtorno para todos.

shutterstock_323161655

Para assegurar que seu hóspede não fuja, você deve se atentar às seguintes situações.

Passeios

Antes de levar o cãozinho para passear, certifique-se de que:

  • O cachorro está com a placa de identificação. Caso ele não tenha, você pode fazer uma tag caseira, como explicado nesse link;
  • Ele está acostumado a passear;
  • A coleira está bem colocada e a guia está bem presa a ela;
  • O equipamento está em boas condições;
  • O local de passeio é apropriado e seguro.

Caso o cachorro faça uso da coleira do tipo enforcador ou semi-enforcador, lembre-se que deve haver uma coleira de pescoço junto, para o caso dele conseguir se desvencilhar do enforcador.
Se o cãozinho não for acostumado a passear, não o leve. Ele pode estranhar o ambiente, as pessoas e os animais ao redor, se sentir acuado e tentar escapar. Essa medida de precaução serve, também, caso você perceba que a guia ou a coleira não estão totalmente seguras ou apresentam algum defeito.

No primeiro dia de hospedagem nossa recomendação também é que você não leve o hóspede para passear. Ele ainda estará em período de adaptação por estar em um local diferente com uma pessoa que ele não conhece e pode encarar o passeio como um momento de se desvencilhar dessa situação.

Quando você estiver hospedando mais de um pet, antes de levar todos para um passeio, avalie se será viável levar todos ao mesmo tempo e em segurança. Caso não, faça turno de passeios levando-os separadamente.

shutterstock_164195606

Rotas de fuga na sua casa

O cachorro também pode tentar fugir mesmo estando dentro da sua casa e, para que isso não aconteça, você precisa fechar todas as possíveis rotas de fuga que sua residência possua. Isso vale para portões e cercas vazados sem tela de proteção, casas em condomínios fechados que não possuam muro ou cerca, muros ou cercas muito baixos, portas de vidro, janelas, frestas ou buracos nos muros e paredes e até mesmo no chão entre o portão e a calçada.

Todos esses espaços devem ser vedados ou devidamente fechados para que os hóspedes não consigam sair. O que para você pode parecer um espaço pequeno demais para que ele consiga passar, para ele, com um pouquinho de esforço, pode ser o suficiente para sair.

Sempre ao entrar e sair de casa seja cuidadoso com as portas e portões, não subestime a rapidez do pet!

Entrada e saída frequente de pessoas

Se na sua residência o fluxo de entrada e saída de pessoas é alto, ou se você receber visitas, redobre a atenção. Mantenha sempre as portas fechadas e indique que todos façam o mesmo. Seja cauteloso, também, na hora de entrar e sair com o carro da garagem e carregar sacolas para dentro de casa, pois qualquer distração, porta ou portão semi aberto será o bastante para que o cachorro escape.

Eles também estão mais propícios a fugir quando estão no cio (para reprodução) e durante comemorações, jogos de futebol e festas de fim de ano onde, geralmente, as pessoas soltam fogos de artifício. Isso pode assustá-los e fazer com que fujam para encontrar um local seguro. Em ambas as situações, mantenha-os dentro de casa e esteja sempre perto para supervisioná-los e acalmá-los.

shutterstock_339967340

Fugas podem acontecer! E se, em qualquer uma dessas situações o hóspede conseguir escapar, você deve:

  1. Entrar em contato conosco em primeiro lugar, e nos enviar uma foto do cachorro. A DogHero estando ciente do ocorrido, poderá te auxiliar melhor sobre próximos passos a ser seguidos;
  2. Sair para procurá-lo imediatamente – tendo em mãos coleira e petiscos para atraí-lo e conseguir segurá-lo;
  3. Levar alguém com você para fazer as buscas: com mais de uma pessoa a área abrangida será maior. E anote as ruas que vocês passarem para maior controle da dimensão da área rodeada;
  4. Faça o trajeto pelas principais ruas e avenidas até a casa do tutor – caso você saiba o endereço. Alguns cães tendem a voltar para casa quando fogem;
  5. Passe em locais comerciais, mostre uma foto do animalzinho e, se possível, deixe petiscos para que eles possam te ajudar a atrair o cão caso o encontrem;
  6. Caso você aviste o hóspede e ele esteja muito amedrontado: não corra atrás dele. Isso o fará correr de você, correndo o risco de ser atropelado ou de você não conseguir pegá-lo. Tente atraí-lo com o petisco e chamando-o pelo nome;
  7. A DogHero entrará em contato com o cliente para informá-lo da situação, mas é importante que você também o atualize constantemente sobre a busca.

Um ponto importante nesses casos é a forma com que você se comunica com o cliente. Ele pode estar reativo por preocupação pelo seu cãopanheiro. Ter empatia e ponderar as palavras é fundamental!
Melhor do que ter que lidar com esse tipo de situação é preveni-la. Por isso, siga sempre essas recomendações e esteja atento ao seus hóspedes!

E saiba que a DogHero está aqui para te ajudar no que for necessário. Não tenha medo de nos comunicar em caso de fuga, conte conosco nesse processo caso ele venha a acontecer. <3

Total
4
Shares

9 comments

  1. Maravilhoso saber que temos toda uma equipe da DoHero na qual podemos contar, num momento de fuga ou outro incidente que possa ocorrer com nossos bichinhos. Obrigada pelas dicas!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*