Parecem inofensivas, mas não são. Saiba quais espécies são perigosas para os peludos.

Você monta um jardim ou espalha plantinhas pela casa. Na sua pequena flora particular tem de tudo: folhagens, trepadeiras, flores coloridas e com cheiro suave e outras com um aroma bem marcante. Apesar de serem lindas, uma boa parte delas pode ser plantas tóxicas, prejudicar seus hóspedes e até levar à morte.

No geral, o peludo vai ficar longe das plantas que podem fazer mal à saúde. Mas, às vezes, por curiosidade (em especial filhotes) ou por tédio, eles acabam mordiscando e comendo partes do arranjo. Em caso de intoxicação, os primeiros sinais costumam aparecer já nas primeiras horas seguintes e, em alguns casos, podem durar dias.

Por isso, antes de trazer uma plantinha nova para casa, pesquise se ela é venenosa e se apresenta algum risco à saúde dos cachorros. Se você já possui alguma e só descobriu depois que ela é tóxica, não precisa se desfazer. Uma opção é mantê-la fora do alcance, seja em um lugar mais alto ou em algum ambiente que o cachorro não consiga entrar.

O que fazer em caso de intoxicação

O melhor a fazer é limpar a boca dele com água corrente. Cuidado para não fazer ele engolir os resíduos e não afogar o cachorro. Assim, você retira quaisquer resquícios da planta ou de seiva que sobrou por ali. Não provoque vômito e não dê nada para o cão comer ou beber, nem água.

Em seguida, procure imediatamente um veterinário e não se esqueça de levar uma amostra ou uma foto da planta. É fundamental que ele saiba qual foi ingerida para poder escolher o melhor tratamento. Para ajudar a prevenir que seus hóspedes se intoxiquem, separamos uma lista (abaixo) com algumas das plantas venenosas mais comuns em casa.

Mas atenção: se você não encontrou a que procurava na nossa seleção, isso não significa que ela não possa ser tóxica. É possível consultar uma lista completa no site da Sociedade Americana para Prevenção do Maltrato contra Animais (ASPCA), em inglês.

Plantas tóxicas:


Todas essas plantas têm um princípio ativo que provoca irritação e sensação de queimação na boca, língua e lábios, salivação excessiva, vômito e dificuldade para engolir. O contato com os olhos causa lacrimejamento e sensibilidade à luz.

Elas têm uma substância que pode causar problemas digestivos e cardíacos. Os sinais mais comuns são: animal se recusa a comer, aumento ou diminuição da frequência cardíaca, diarreia persistente ou com sangue, dor abdominal, enjoo, vômito, perda de coordenação motora, desânimo e convulsões.

Seu consumo causa irritação e queimação na boca, língua e nos lábios, salivação em excesso, vômito e dificuldades de engolir.

O cachorro pode apresentar sinais como vômito, desânimo, diarreia, tremores e ter alteração na cor da urina.

Seu princípio ativo causa irritações na boca e no estômago, vômito, e sinais de irritação e coceira na pele. Os acidentes costumam acontecer com mais frequência perto do Natal, quando o bico-de-papagaio é muito utilizado na decoração.

Poucas horas após o consumo, o cachorro pode ter náusea, vômito, boca seca, falta de coordenação motora, pupilas dilatadas e visão alterada, comportamento anormal, tremores e até convulsões (que podem durar dias).

Pode ser bastante perigosa para os peludos. As flores e as folhas do hibisco causam vômito, diarreia, náusea e perda de apetite.

Sua ingestão causa boca arroxeada, dificuldade respiratória, vômito, dor abdominal, diarreia e convulsões.

Existem muitas espécies e, em todas, as folhas são tóxicas, prejudicam a produção de glóbulos vermelhos e causam sinais agudos como sangramentos, pontinhos vermelhos pelas mucosas da boca, sangue na urina. Em casos crônicos, podem causar grave anemia.

É prejudicial se ingerida em grandes quantidades. Pode causar alergia na pele, vômito, desânimo, diarreia e salivação excessiva.

Por Aretha Yarak. Fonte: veterinária DogHero Ingrid Stein;

Total
4
Shares

2 comments

  1. Acho que esta dica é muito importante. Eu tenho algumas plantinhas e quando recebo hóspedes eu coloco os vasos em cima de bancos e em prateleiras fora do alcance do cãozinho. Todo cuidado é pouco.

Deixe uma resposta para Deborah da Silva Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*